UOL Notícias Notícias
 
23/08/2010 - 11h53

Sumiço de idosos expõe drama social japonês

Por Antoni Slodkowski

TÓQUIO (Reuters Life!) - O frenesi na imprensa japonesa com o desaparecimento de idosos centenários trouxe à tona um efeito colateral do envelhecimento populacional no país: o potencial de isolamento e solidão dessas pessoas.

O pânico -- e a culpa -- foi instalado pela descoberta de que um homem que era apontado como o mais velho de Tóquio, com 111 anos, na verdade morreu há mais de 30. Os restos dele foram achados mumificados, em casa, e a família está sob suspeita de fraude.

Desde então, as autoridades já conseguiram localizar mais de 250 idosos e vêm surgindo relatos de que muitos outros estariam morrendo sozinhos e também que parentes estariam aplicando golpes para conseguir continuar recebendo suas pensões.

"Não se preocupem, minha sogra não é uma múmia", brincou Mio Akiyama aos funcionários da subprefeitura de Suginami (Tóquio) que passaram pelo bairro na semana passada, confirmando a existência de idosos.

Em meio às investigações, as autoridades descobriram que muitos idosos se mudaram para longe das famílias e nunca mais deram notícia, perdendo-se nos desvãos de uma rede de amparo insuficiente.

Fusa Furuya, moradora do bairro de Suginami, era supostamente a mulher mais velha da capital japonesa, aos 113 anos. Mas ela não foi encontrada no endereço em que estava registrada. Nenhum parente sabe o paradeiro dela.

Uma neta "postiça" disse que há mais de 20 anos não sabe da idosa. "Eu me sinto triste e solitária. Não percebi que esse tipo de coisa poderia acontecer em Suginami, onde eu vivo", disse a aposentada Katsuji Yamashiro, 67 anos.

Estima-se que o Japão tenha 41 mil pessoas com mais de cem anos de idade. Há 25 anos as mulheres do país detêm o recorde mundial de expectativa de vida.

"Não concebo uma situação em que eu não soubesse onde ela está. Talvez o rompimento dos laços familiares seja a causa dos recentes acontecimentos", disse Akiyama, segurando a mão da sua frágil e acamada sogra, de 107 anos.

Se Akiyama ainda demonstra o respeito pelos idosos que muitos veem como um valor japonês tradicional, outras famílias estão mudando, e os idosos não necessariamente recebem o apoio de seus parentes.

Até 2020, estima-se que um terço dos idosos japoneses estará vivendo sozinho, refletindo não só o envelhecimento populacional, mas também o aumento dos divórcios. Para 2015, a previsão do governo é que um quarto dos 125 milhões de japoneses tenha mais de 65 anos.

"Até recentemente, os núcleos familiares eram centrais para a sociedade japonesa, mas hoje as pessoas estão vivendo sozinhas e substituindo esse modelo de lar," disse Akio Doteuchi, do Instituto de Pesquisas NLI.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,02
    3,136
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h20

    -0,02
    75.974,18
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host