UOL Notícias Notícias
 
25/02/2011 - 10h28

Apesar da fome, Coreia do Norte pode estar estocando alimentos

SEUL (Reuters) - A miserável Coreia do Norte deve enfrentar mais um ano de escassez alimentícia, mas seus múltiplos apelos por doações de comida parecem ser exagerados, o que sugere que o país pretende estocar alimentos em vez de simplesmente distribuí-los aos famintos, segundo autoridades da Coreia do Sul.

A má gestão e desastres naturais causaram uma onda de fome que, segundo algumas estimativas, matou até 1 milhão de pessoas no país na década de 1990. Na quarta-feira, cinco agências humanitárias norte-americanas alertaram que o problema pode se repetir.

O regime norte-coreano, politicamente isolado e sob pressão internacional devido ao seu programa nuclear, tem há meses feito pedidos de alimentos a praticamente todos os países do mundo, exceto os mais pobres.

"Eles só falam disso, comida", disse uma fonte oficial sul-coreana, pedindo anonimato. "Não é mais novidade que um país receba um pedido de ajuda. Diga-me um país que não recebeu o pedido. Isso seria novidade."

Outra fonte, também sob anonimato, disse que a estocagem de alimentos pode estar relacionada à provável sucessão do dirigente Kim Jong-il para seu filho caçula, Kim Jong-un, e à promessa de criar uma "nação próspera e forte" até 2012, centenário do nascimento de Kim Il-sung, fundador do regime.

Há consenso entre analistas de que a Coreia do Norte teve uma ligeira melhora na sua safra de alimentos em 2010. A FAO, órgão da ONU para alimentação e agricultura, estima que a produção tenha aumentado 3 por cento no ano passado, chegando a 4,5 milhões de toneladas de alimentos.

(Por Jack Kim)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    0,95
    3,157
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h28

    -1,26
    74.443,48
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host