UOL Notícias Notícias
 
06/06/2011 - 12h06

Israel acusa síria de orquestrar conflito em Golã; 23 mortos

Por Ari Rabinovitch

JERUSALÉM (Reuters) - Israel acusou nesta segunda-feira a Síria de ter orquestrado os confrontos letais na linha de cessar-fogo entre os dois países, até então pacífica, como um meio de desviar a atenção da sangrenta repressão do governo sírio à revolta interna que já dura 11 semanas.

A Síria informou que morreram 23 pessoas, incluindo uma mulher e uma criança, e outras 350 ficaram feridas no domingo, quando soldados israelenses dispararam contra manifestantes pró-palestinos que surgiram na fronteira fortificada nas Colinas de Golã, ocupadas por Israel desde a Guerra dos Seis Dias, em 1967.

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, disse que o uso de munição real por parte de Israel causou vítimas e que observadores da ONU estão "buscando confirmar os fatos".

Israel contestou o relato sírio e acusou o presidente da Síria, Bashar al-Assad, de tentar desviar a atenção mundial da morte de pelo menos 1.100 pessoas em protestos antigovernamentais no país.

"Não é possível chegar à fronteira sírio-israelenses, do lado sírio, sem clara instrução e aprovação do governo de Damasco", disse o ministro da Defesa Civil de Israel, Matan Vilnai.

"Para Assad, existe o interesse supremo de que esses protestos mudem o foco e a atenção que estão sobre ele para ouras direções", afirmou Vilnai à rádio militar israelense. "Ele usa (os palestinos). Ele simplesmente os usa."

O protesto de domingo foi realizado para marcar os 44 anos da guerra de 1967, quando Israel capturou as Colinas de Golã -- bem como a Cisjordânia e a Faixa de Gaza, territórios onde os palestinos querem fundar seu Estado.

Embora Israel e Síria estejam tecnicamente em guerra e a Síria abrigue centenas de milhares de refugiados palestinos da guerra de fundação de Israel, em 1948, a região de Golã se mantinha calma.

Isso mudou em 15 de maio, quando milhares de ativistas pró-palestinos derrubaram uma cerca na fronteira e entraram brevemente em território sob controle israelense.

Israel reforçou suas defesas e advertiu que poderia usar força letal.

Um repórter da Reuters que estava na área no domingo viu franco-atiradores israelenses dispararem contra os manifestantes e dez pessoas serem carregadas em macas por seus companheiros.

(Reportagem adicional de Dominic Evans)

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    13h00

    0,98
    3,740
    Outras moedas
  • Bovespa

    13h02

    -1,13
    96.424,47
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host