UOL Notícias Notícias
 

Terremoto no Japão

Um dos maiores tremores da história desencadeia um tsunami, provoca mortes e deixa um rastro de destruição no Japão

  • Imagem: Reprodução
29/08/2011 - 15h15

Escolas de Fukushima não estão seguras após limpeza, diz Greenpeace

Natalia Konstantinovskaya
Em Tóquio

O Greenpeace disse na segunda-feira que as escolas e seus arredores situados a 60 quilômetros da usina nuclear atingida pelo tsunami no Japão não estão seguras para as crianças, apresentando leituras de radiação até 70 vezes mais do que o aceito internacionalmente.

O grupo ambiental retirou amostras em três escolas da cidade de Fukushima e de seus arredores, fora da zona de exclusão de 20 quilômetros do complexo nuclear de Fukushima Daiichi, da Tokyo Electric Power's, no nordeste do Japão.

"Nenhum pai e mãe deve ter de escolher entre exposição à radiação e a educação de seus filhos", disse Kazue Suzuki, chefe do projeto antinuclear do Greenpeace para o Japão.

O governo já tomou medidas para descontaminar as escolas na prefeitura de Fukushima, onde a usina apresenta vazamento de radiação desde que foi atingida pelo terremoto seguido de tsunami em 11 de março.

Classificando as medidas de "deploravelmente tardias e inadequadas", o Greenpeace disse ter encontrado taxas medidas acima do máximo permitido pelos padrões internacionais, de 1 milisievert por ano, ou 0,11 microsievert por hora.

Veja mais

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    16h59

    -0,85
    3,308
    Outras moedas
  • Bovespa

    18h22

    0,25
    72.607,70
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host