UOL Notícias Notícias
 
14/10/2011 - 16h01

Apoiadores de Gaddafi e forças da Líbia se enfrentam em Trípoli

Reuters

Por Barry Malone

TRÍPOLI (Reuters) - Trípoli, capital da Líbia, registrou tiroteios na sexta-feira entre dezenas de simpatizantes do líder deposto Muammar Gaddafi e as forças do novo governo.

Esse foi o primeiro sinal de resistência armada ao Conselho Nacional de Transição (CNT) na cidade desde que as brigadas rebeldes tomaram a capital e colocaram fim aos 42 anos de governo de um homem só, em agosto.

Embora as batalhas tenham sido pequenas e o número de vítimas, baixo, o incidente suscitou preocupações de que o governo interino possa enfrentar uma insurgência por parte dos homens leais a Gaddafi.

Centenas de combatentes do CNT em caminhonetes gritando "Allahu Akbar" (Deus é o maior) faziam uma carreata pelo bairro de Abu Salim, centro de apoio a Gaddafi, e os dois lados trocaram tiros de metralhadora.

Moradores locais contaram a um correspondente da Reuters no local que um grupo de 50 homens armados haviam aparecido em Abu Salim mais cedo e cantado slogans pró-Gaddafi. Os homens do CNT disseram que também ocorreram confrontos em outros três bairros nas proximidades.

"Gaddafi lhes disse numa mensagem ontem à noite para se levantarem após as orações de sexta-feira", disse um combatente do CNT, Abdullah. "É por isso que essas poucas pessoas saíram e estão causando esse problema."

O ex-líder divulgou uma série de gravações em áudio pedindo que os seus simpatizantes lutem. "Peço que todo povo líbio saia às ruas e marche aos milhões em todas as praças, em todas as cidades, vilarejos e oásis", disse ele no começo do mês.

"Saiam pacificamente, sejam corajosos, levantem-se, saiam às ruas, ergam nossas bandeiras verdes aos céus."

Os combatentes do CNT retiraram à força um homem de um conjunto de apartamentos de Abu Salim. Enquanto ele era chutado e socado, um dos homens do CNT lhe deu uma facada nas costas. Não estava claro se foi um golpe fatal.

O homem detido tinha uma granada, afirmaram os combatentes do CNT, cujas forças têm sido criticadas pelos grupos de direitos humanos pelo tratamento dispensado aos prisioneiros.

Outros dois atiradores pró-Gaddafi foram detidos no bairro de Abu Salim, afirmaram os comandantes do CNT.

Dominado por blocos de apartamentos, o bairro foi um dos últimos lugares a cair quando o novo governo tomou a cidade depois de seis meses de guerra civil.

Siga UOL Notícias

Tempo

No Brasil
No exterior

Trânsito

Cotações

  • Dólar comercial

    17h00

    -0,92
    5,415
    Outras moedas
  • Bovespa

    17h21

    -1,23
    102.174,40
    Outras bolsas
  • Hospedagem: UOL Host