Alemanha e França se unem contra suspeita de espionagem dos EUA


Por Luke Baker

BRUXELAS, 24 Out (Reuters) - As acusações feitas por França e Alemanha de que os EUA espionam seus países, e teriam inclusive grampeado o celular da chanceler alemã, Angela Merkel, devem dominar uma cúpula europeia que começa nesta quinta-feira em Bruxelas.

A pauta do encontro é composta por temas sociais e econômicos diversos, mas deve ser ofuscada pelo debate sobre como responder às suspeitas de espionagem contra dois dos principais aliados europeus de Washington.

Para a Alemanha, a questão é particularmente delicada, pois a espionagem evoca lembranças da vigilância realizada pela Stasi, polícia secreta da Alemanha Oriental, onde Merkel cresceu.

Outros aliados importantes dos EUA, como Brasil e Arábia Saudita, também já se queixaram das atividades de espionagem reveladas em junho pelo ex-técnico de inteligência Edward Snowden.

Em uma nota com termos excepcionalmente duros, divulgada na noite de quarta-feira, um porta-voz de Merkel disse que a chanceler (primeira-ministra) conversou por telefone com o presidente dos EUA, Barack Obama, para solicitar esclarecimentos.

"Ela deixou claro que vê tais práticas, caso se provem verdadeiras, como sendo completamente inaceitáveis, e as condena inequivocamente", disse a nota.

Jay Carney, porta-voz da Casa Branca, disse que Obama garantiu a Merkel que os EUA "não estão monitorando e não irão monitorar" as comunicações da chanceler, o que dá margem à interpretação de que isso aconteceu no passado.

O ministro alemão de Relações Exteriores, Guido Westerwelle, convocou o embaixador dos EUA em Berlim para discutir a questão, disse um porta-voz na quinta-feira.

A França também já havia manifestado indignação depois que o jornal Le Monde noticiou que a Agência de Segurança Nacional dos EUA (NSA, na sigla em inglês) havia recolhido dezenas de milhares de registros telefônicos franceses entre dezembro de 2010 e janeiro de 2013.

O presidente François Hollande deixou claro que pretendia incluir a questão da espionagem da pauta da cúpula, mas não ficou claro se ele conseguirá.

Embora Berlim e Paris devam receber a solidariedade de muitos dos 28 países da UE, questões domésticas não são da competência da União Europeia. O máximo que eles podem esperar é uma manifestação de apoio dos demais líderes e exigências de que os EUA se expliquem completamente.

No entanto, as denúncias podem estimular países da UE a apoiarem novas regras do bloco para a proteção de dados. O Parlamento Europeu aprovou nesta semana uma legislação que revê as regras da UE sobre proteção de dados, que remontam a 1995.

Segundo as denúncias de Snowden, o Brasil também foi alvo da espionagem norte-americana. A presidente Dilma Rousseff cancelou uma visita de Estado que faria a Washington este mês após denúncia de que teve suas próprias comunicações pessoais monitoradas pela NSA.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos