PUBLICIDADE
Topo

Milhares de civis fogem de Gaza após alerta de Israel

Nidal al-Mughrabi e Jeffrey Heller

De Gaza e Jerusalém

13/07/2014 13h09

Milhares de civis fugiram de suas casas na cidade de Gaza neste domingo (13) depois que Israel advertiu-os a deixar o local antes de ameaças de ataques em locais de lançamentos de foguetes, no sexto dia da ofensiva que autoridades palestinas disseram já ter matado pelo menos 160 pessoas.

Militantes do Hamas na faixa de Gaza mantiveram foguetes no Estado judeu e a pior crise de derramamento de sangue entre Israel-Palestina em dois anos não mostrou sinais de enfraquecimento. Enquanto isso, autoridades de relações exteriores ocidentais em reunião hoje disseram que um cessar-fogo era uma prioridade urgente.

As forças israelenses lançaram panfletos na cidade de Beit Lahiya, perto da fronteira do norte de Gaza com Israel. Nos panfletos, estava escrito: "Aqueles que não cumprirem as instruções para sair imediatamente colocarão em risco suas vidas e as vidas de suas famílias. Cuidado".

O exército israelense disse aos moradores de três dos dez bairros de Beit Lahiya para saírem da cidade de 70 mil pessoas até o meio dia de domingo. Funcionários da ONU (Organização das Nações Unidas) disseram que cerca de 4.000 pessoas fugiram para o sul para oito escolas administradas pelo organismo internacional na Cidade de Gaza.

Um oficial militar israelense, em uma entrevista por telefone a jornalistas estrangeiros, disse que Israel iria "atacar com força" na área de Beit Lahiya a partir do final da tarde de domingo.

"O inimigo construiu infraestrutura de foguete no meio das casas [em Beit Lahiya]", disse o oficial. "Ele quer me forçar a um ataque e a ferir civis".

Nas escolas administradas pela Agência das Nações Unidas de Socorro e Trabalho na Cidade de Gaza, os moradores de Beit Lahiya chegaram em carroças cheias de crianças, malas e colchões, enquanto outros vieram de carro ou táxi. Um homem, ainda de pijama, disse que alguns moradores tinham recebido telefonemas advertindo-os para sair.

"O que poderíamos fazer? Tivemos que correr para salvar as vidas de nossos filhos", disse Salem Abu Halima, 25 anos, pai de dois filhos.

O Ministério do Interior de Gaza, em um comunicado na rádio do Hamas, rejeitou as advertências israelenses como "guerra psicológica" e instruiu aqueles que deixaram suas casas a retornarem e a outros que deixem suas casas. 

Mais sobre o conflito entre Israel e o Hamas

  • UOL

    Embaixador da Palestina

    Israel faz "guerra aberta ao povo palestino", diz embaixador da Palestina

  • Divulgação/PR

    Embaixador de Israel

    "O Hamas é o câncer da Palestina", diz embaixador de Israel no Brasil

  • Mohammed Saber/Efe/Epa

    Batalha assimétrica

    O conflito entre militares israelenses e braços armados do Hamas e de outros grupos palestinos na faixa de Gaza é uma clássica batalha assimétrica. Os dois lados estão longe de serem equiparáveis em termos de poder de fogo, mas ainda assim podem exercer grande pressão um sobre o outro.

  • Arquivo pessoal

    Brasileiros na região

    A freira brasileira Maria Laudis teve que abandonar a igreja e todos seus pertences na casa onde morava na faixa de Gaza para proteger a própria vida. O imóvel ao lado de onde a religiosa pernambucana vivia foi alvo de um dos projéteis lançados por Israel.

Conheça os pontos da negociação entre Israel e palestinos

  • Reprodução/BBC

    Estado palestino

    Os palestinos querem um Estado plenamente soberano e independente na Cisjordânia e na faixa de Gaza, com a capital em Jerusalém Oriental. Israel quer um Estado palestino desmilitarizado, presença militar no Vale da Cisjordânia da Jordânia e manutenção do controle de seu espaço aéreo e das fronteiras exteriores

  • Mohamad Torokman/Reuters

    Fronteiras e assentamentos judeus

    Os palestinos querem que Israel saia dos territórios que ocupou após a Guerra dos Seis Dias (1967) e desmantele por completo os assentamentos judeus que avançam a fronteira, considerados ilegais pela ONU. Qualquer área dada a Israel seria recompensada. Israel descarta voltar às fronteiras anteriores a 1967, mas aceita deixar partes da Cisjordânia se puder anexar os maiores assentamentos.

  • Cindy Wilk/UOL

    Jerusalém

    Israel anexou a área árabe da Jordânia após 1967 e não aceita a dividir Jerusalém por considerar o local o centro político e religioso da população judia. Já os palestinos querem o leste de Jerusalém como capital do futuro Estado da Palestina. O leste de Jerusalém é considerado um dos lugares sagrados do Islã. A comunidade não reconhece a anexação feita por Israel.

  • Agência da ONU de Assistência aos Refugiados Palestinos

    Refugiados

    Há cerca de 5 milhões de refugiados palestinos, a maioria deles descendentes dos 760 mil palestinos que foram expulsos de suas terras na criação do Estado de Israel, em 1948. Os palestinos exigem que Israel reconheça seu "direito ao retorno", o que Israel rejeita por temer a destruição do Estado de Israel pela demografia. Já Israel quer que os palestinos reconheçam seu Estado.

  • Mahfouz Abu / EFE

    Segurança

    Israel teme que um Estado palestino caia nas mãos do grupo extremista Hamas e seja usado para atacar os judeus. Por isso, insiste em manter medidas de segurança no vale do rio Jordão e pedem que o Estado palestino seja amplamente desmilitarizado. Já os palestinos querem que seu Estado tenha o máximo de atributos de um Estado comum.

  • Abbas Momani/AFP

    Água

    Israel controla a maioria das fontes subterrâneas da Cisjordânia. Os palestinos querem uma distribuição mais igualitária do recurso.