América Latina é região com mais mortes de ativistas de direitos humanos, diz grupo

Por Anastasia Moloney

BOGOTÁ (Thomson Reuters Foundation) - A América Latina é a região mais mortal para ativistas de direitos humanos, com vários sendo mortos ao defenderem direitos à terra, ambientais, direitos LGBT e de indígenas, afirmou um grupo nesta quarta-feira.

Nos primeiros 11 meses de 2015, 156 defensores dos direitos humanos foram assassinatos no mundo ou mortos quando em custódia, quase 15 por cento a mais do que no ano anterior, com mais da metade das mortes ocorrendo na América Latina, e com 54 assassinatos só na Colômbia, segundo um relatório do Front Line Defenders.

“Defender direitos humanos na América Latina continua extremamente perigoso, e a criminalização da defesa dos direitos humanos e dos movimentos de protesto pacífico persiste. O tema mais preocupante permanece sendo a violência extrema”, afirmou o relatório do grupo com sede em Dublin.

Fora das Américas, as Filipinas foi o país com pior resultado, com 31 mortes de ativistas de direitos humanos, disse o relatório.

A perseguição e o assédio a ativistas de direitos humanos no mundo incluem ameaça de morte, prisão arbitrária, ataque físico, brutalidade policial e a invasão de casas e escritórios, segundo o relatório.

“Defensores de direitos humanos enfrentam ambientes cada vez mais restritos e brutais em cada região do globo”, disse Mary Lawlor, chefe do Front Line Defenders, no lançamento do relatório anual em Dublin.

“Violência extrema tem sido usada de forma mais frequente e em mais países, enquanto processos fabricados e julgamentos injustos têm se tornado a norma em muitas partes do mundo”, declarou ela.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos