Dilma diz que país vai ter que encarar reforma da Previdência

  • UESLEI MARCELINO

BRASÍLIA (Reuters) - A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta quinta-feira que é preciso encarar a reforma da Previdência, mas ressaltou que o governo buscará consenso político e nenhuma medida será tomada só com base em "razões técnicas".

"Vamos encarar a reforma da Previdência. Estamos envelhecendo mais e nossa expectativa de vida aumentou talvez de forma bastante significativa em 4,6 anos", disse a presidente, segundo áudio de entrevista a repórteres de jornais, rádios e TVs, da qual a Reuters e outros veículos foram excluídos. "Isso faz com que seja muito difícil equacionar problemas."

Para Dilma, não é possível que a idade média para aposentadoria no Brasil seja de 55 anos.

A presidente acrescentou, no entanto, que não se pode mexer nos direitos adquiridos e garantiu que se buscará um consenso.

"Ninguém vai fazer uma reforma dessas sem consenso político e só com razões técnicas. Levando em conta os direitos adquiridos e expectativa dos que estão no mercado --e isso deve ser feito de forma sustentável-- teria que ter período de transição", disse.

O governo enfrenta, além de uma crise política agravada com a deflagração da batalha do impeachment contra Dilma na Câmara dos Deputados, um cenário de recessão, inflação alta e rombo nas contas públicas.

(Reportagem de Lisandra Paraguassu)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos