Investigação de corrupção na Eletrobras é ampliada para mais 5 usinas, diz fonte

Por Caroline Stauffer

SÃO PAULO (Reuters) - Uma investigação interna para apurar eventuais casos de corrupção na estatal de energia Eletrobras foi expandida e incluirá mais cinco hidrelétricas, disse uma fonte com conhecimento das apurações.

Advogados investigando possíveis violações das leis anticorrupção brasileira e dos EUA pela estatal esperam terminar os trabalhos em março, para que a empresa apresente informações financeiras já atrasadas aos reguladores norte-americanos. As provas encontradas podem impactar o balanço da Eletrobras no segundo trimestre.

A estatal contratou o escritório de advocacia norte-americano Hogan Lovells e a WFaria Advogados, de São Paulo, além de três membros independentes, para investigar possíveis casos de propina envolvendo a companhia e construtoras privadas.

A Kroll, uma consultoria norte-americana especializada em riscos corporativos, também juntou-se recentemente às investigações, disse a fonte.

A Kroll não respondeu a pedidos de comentários. A Eletrobras disse que não comentará o assunto antes do final das investigações.

Procuradores dizem que construtoras acusadas de superfaturamento e propinas na Petrobras repetiram o esquema na Eletrobras, aumentando o tamanho do escândalo de corrupção investigado pelas autoridades brasileiras.

A comissão ainda não concluiu as investigações sobre os quatro projetos que eram inicialmente seu foco: a usina nuclear de Angra 3 e as hidrelétricas de Belo Monte, Jirau e Santo Antônio, disse a fonte, que não citou quais seriam as novas cinco usinas na apuração.

A fonte não fez estimativas ou confirmou possíveis perdas devido à corrupção, mas disse que um efeito no balanço é "muito provável, considerando o que já está na mídia sobre a Eletronuclear".

O ex-presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro, está sendo processado por corrupção e lavagem de dinheiro no Rio de Janeiro. Ele é acusado de cobrar 4,5 milhões de reais em propinas relacionadas a Angra 3.

A Eletrobras assumiu baixas contábeis de 3,4 bilhões de reais referentes a Angra 3 no balanço do terceiro trimestre de 2015, mas citou deteriorações na economia do Brasil para justificar as perdas, e não corrupção.

Tanto a Eletrobras quanto a Petrobras possuem ações na bolsa de Nova York e estão sujeitas à legislação anticorrupção norte-americana.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos