Maduro reforma ministério e promete enfrentar a crise econômica da Venezuela

Por Diego Oré e Eyanir Chinea

CARACAS (Reuters) - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, anunciou uma reforma ministerial na quarta-feira e, entre uma dezena de mudanças, nomeou um jovem sociólogo de esquerda para comandar a política econômica do governo socialista.

Analistas e economistas asseguraram, no entanto, que as nomeações mostram que o governo irá manter sua dura política de controles que, afirmam, levou a Venezuela a uma profunda recessão, uma inflação próxima aos três dígitos e provocou a escassez de bens básicos.

"Decidi formar essa equipe para que hoje mesmo comecem... ações permanentes para enfrentar a grave situação que a Venezuela sofre pela guerra econômica, a queda dos preços do petróleo", disse Maduro durante cerimônia transmitida em cadeia DE rádio e TV.

Entre as mudanças que mais se destacam, o presidente nomeou Luis Salas, sociólogo e professor universitário de economia política de 39 anos como vice-presidente da área econômica, o principal responsável pela economia do país.

O presidente também dividiu em dois o antigo Ministério da Economia, Finanças e Bancos Públicos para colocar Salas como chefe do novo Ministério da Economia Produtiva, e Rodolfo Medina, professor universitário e chefe do Escritório Nacional de Orçamento, como chefe da pasta de Finanças e Bancos.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos