Apoio a Merkel volta a cair ante temor de alemães com crise de refugiados

BERLIM (Reuters) - A aprovação da chanceler alemã, Angela Merkel, e de seu bloco conservador voltou a cair devido ao modo como ela tem lidado com a crise de refugiados, e também por causa das preocupações com a segurança e o crime após ataques a mulheres na noite de Ano Novo em Colônia, mostrou uma pesquisa na quarta-feira.

A política de portas abertas aos refugiados promovida por Merkel, assim como sua insistência de que a Alemanha é capaz de absorver a entrada dos 1,1 milhão de migrantes que chegaram no ano passado, além dos que continuam a chegar este ano, são fatores que têm causado desentendimentos com autoridades locais e esgarçado sua coalizão direita-esquerda.

Assédios sexuais contra mulheres em Colônia e em outras cidades alemãs na noite de Ano Novo, que foram amplamente atribuídos a migrantes, aprofundaram o ceticismo da população em relação à política de Merkel.

Ela permanece, no entanto, bem mais popular do que seu principal rival, o social democrata Sigmar Gabriel, e seu bloco conservador continua a liderar as pesquisas.

A pesquisa do instituto Forsa mostra Merkel com um 1 ponto percentual a menos do que no levantamento anterior, com 37 por cento, seu menor nível desde novembro, e a coalizão de direita Alternativa para a Alemanha (AfD) obteve 10 por cento de apoio, 1 ponto a mais do que antes e pela primeira vez atingindo os dois dígitos em uma pesquisa do Forsa.

Além disso, o apoio a Merkel, a principal força eleitoral do bloco conservador, caiu 4 pontes, para 44 por cento das intenções de votos no caso hipotético de uma eleição do tipo presidencial ser realizada na Alemanha.

  (Reportagem de Madeline Chambers)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos