Após ataque, Taliban adverte emissoras de TV a não promoverem imoralidade

CABUL (Reuters) - O Taliban advertiu nesta quinta-feira veículos de comunicação a não promoverem a imoralidade e a cultura estrangeira, um dia após assumir a responsabilidade pela morte de sete jornalistas do canal de televisão de maior audiência do país.

O atentado com carro-bomba em Cabul na hora do "rush" na quarta-feira foi condenado por governos, grupos de direitos humanos e organizações de mídia concorrentes como um ataque à liberdade de imprensa.

O Taliban disse que atacou a Tolo TV, o maior canal privado de televisão do Afeganistão, porque produzia propaganda para os militares dos EUA e seus aliados.

A Tolo foi atacada por "promover obscenidade, irreligiosidade, cultura estrangeira e nudez", disse o Taliban por meio de um comunicado. "Seus funcionários eram antijihad e anti-islã, elementos treinados pela inteligência estrangeira trabalhando para os norte-americanos."

O Taliban ameaçou abertamente alvejar a estação de TV no ano passado, após a emissora relatar acusações de execuções sumárias, estupros e sequestros por combatentes do Taliban durante batalha na cidade de Kunduz.

(Reportagem de Hamid Shalizi e Andrew MacAskill)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos