Papa rompe tradição e permite mulheres no rito quaresmal do lava-pés

Por Philip Pullella

CIDADE DO VATICANO (Reuters) - O papa Francisco rompeu nesta quinta-feira com uma tradição de séculos que proibia a participação de mulheres no ritual de lava-pés durante a Quaresma, irritando conservadores e agradando ativistas dos direitos das mulheres.

Até agora, apenas homens ou meninos eram formalmente autorizados a participar do ritual, no qual um sacerdote lava e beija os pés de 12 pessoas em homenagem ao gesto humilde de Jesus para com seus apóstolos na noite anterior à sua morte.

Mas em uma carta para o departamento do Vaticano que regula os ritos de adoração, Francisco disse que o grupo deve ser composto por "todos os membros do povo de Deus", incluindo mulheres.

O ritual acontece em paróquias católicas em todo o mundo na Quinta-feira Santa, quatro dias antes da Páscoa. No entanto, algumas paróquias da Igreja, que conta com 1,2 bilhão de fiéis, já incluíam mulheres e meninas, mas nos países em desenvolvimento a maioria ainda está presa às regras da Santa Sé.

"Esta é uma grande notícia, um maravilhoso passo adiante", disse Erin Hanna, co-diretora da Conferência de Ordenação de Mulheres dos Estados Unidos, que promove um sacerdócio católico feminino. "Isto significa que a mudança é possível, as portas parecem estar abrindo no Vaticano", disse ela à Reuters.

Desde sua eleição em 2013, o papa tem incluído mulheres ao presidir o ritual de lavagem de pés, dando continuidade a uma prática que começou quando era arcebispo em Buenos Aires. O pontífice realizou o ritual em uma casa para idosos e incluiu até mesmo muçulmanos quando a prática era em prisões italianas, uma ofensa aos tradicionalistas.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos