Presidente do Haiti diz que eleição presidencial será no domingo, apesar de protesto

PORTO PRÍNCIPE (Reuters) - O presidente do Haiti, Michel Martelly, afirmou que o segundo turno da eleição presidencial será no próximo domingo, apesar dos protestos da oposição, em uma sinalização de que a negociações para adiar a votação fracassaram.

O candidato da oposição Jude Celestin prometeu boicotar a eleição alegando fraudes no primeiro turno, realizado em outubro, apesar de não ter se retirado formalmente do pleito. Os apoiadores de Celestin e outros críticos do governo planejam uma série de protestos a partir desta sexta-feira.

Celestin ficou em segundo lugar na votação de 25 de outubro, atrás do candidato do governo Jovenel Moise.

Em um pronunciamento gravado na TV estatal, Martelly afirmou que um grupo pequeno de pessoas está tentando destruir o processo democrático e disse ter ordenado à polícia que garanta aos cidadão a participação na eleição, sem intimidação.

"Irmãos e irmãs haitianos, é por meio da eleição que podemos avançar, é por isso que peço à polícia e ao sistema judiciário que tomem todas as medidas para proteger a vida e a propriedade", disse.

O país de cerca de 10 milhões de habitantes vem sofrendo para construir uma democracia estável desde o fim da ditadura da família Duvalier (1957-1986) e de golpes militares e fraudes eleitorais.

(Reportagem de Frank Jack Daniel e Joseph Guyler Delva)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos