Tunísia declara toque de recolher em todo o país após protestos violentos por emprego

TÚNIS (Reuters) - A Tunísia declarou toque de recolher em todo o país nesta sexta-feira após quatro dias de protestos e tumultos por mais empregos e melhores condições econômicas, na pior manifestação desde que um levante, há cinco anos, derrubou o então presidente, Zine El Abidine Ben Ali.

Houve novas manifestações nesta sexta-feira em diversas regiões, incluindo Kasserine e Sidi Bouzid. Em Túnis, manifestantes bloquearam uma importante via e queimaram pneus na rua. Pelo menos 19 pessoas ligadas aos protestos foram presas na capital, disse um policial.

Desde a revolução de 2011 que derrubou Ben Ali, a Tunísia tem sido apontada como um modelo para o progresso democrático. Mas, o descontentamento com a falta de postos de trabalho e o custo de vida elevado tem sido cada vez maior, especialmente no interior do país.

Além disso, há uma preocupação com ataques de militantes islâmicos, como o ocorrido em um resort na praia em junho, que resultou na morte de 39 pessoas.

O ministro do Interior, disse por meio de um comunicado que, devido ao risco dos protestos à propriedade pública e privada, decidiu impor um toque de recolher das 20h às 5h, com efeito imediato.

Os protestos começaram na terça-feira, na empobrecida cidade de Kasserine, após um jovem que, supostamente fora recusado por um empregador, se suicidou.

(Reportagem de Tarek Amara)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos