Ex-diretor-gerente do FMI Rato enfrenta julgamento na Espanha

MADRI (Reuters) - O Tribunal Superior da Espanha anunciou nesta segunda-feira que vai julgar um processo contra o ex-diretor-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI) Rodrigo Rato e dezenas de outras pessoas por suposto uso pessoal de cartões de crédito corporativos enquanto trabalhavam no banco espanhol Bankia.

Rato, ex-ministro das Finanças espanhol e que disputou a liderança do Partido Popular (PP), negou qualquer ato ilícito no caso e em outras investigações ligadas ao Bankia.

O anúncio do julgamento de Rato acontece após uma série de investigações de corrupção envolvendo outros indivíduos ligados ao PP, que perdeu a maioria na eleição geral de dezembro em parte por conta da indignação pública com a grande quantidade de escândalos.

No caso dos gastos com cartões de crédito, os procuradores estão pedindo prisão de quatro anos e meio para Rato, presidente do Bankia pouco antes da instituição financeira precisar de um resgate estatal em 2012. Reuters não pôde entrar em contato com o advogado que representa Rato.

A entrada do Bankia na bolsa de valores, que ocorreu sob a gerência de Rato em meados de 2011, também é investigada pela Corte Superior, embora não haja decisão se o caso irá ao tribunal.

O tribunal também disse Miguel Blesa, predecessor de Rato na Caja Madrid, que se fundiu com outros bancos para formar Bankia em 2011, também irá a julgamento, juntamente com outras 64 pessoas.

A declaração da Corte mostrou que entre 2003 e 2012, durante os mandatos de Rato e Blesa, ex-membros do conselho e executivos da Caja Madrid e do Bankia, posteriormente, gastaram um pouco mais de 12 milhões de euros em cartões de crédito da empresa.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos