ONU anuncia começo de negociações sobre Síria e diz que cabe a potências acordar cessar-fogo

Por John Irish e Tom Miles

GENEBRA (Reuters) - O enviado especial da Organização das Nações Unidas à Síria passou nesta segunda-feira a potências mundiais a responsabilidade de acordar um cessar-fogo na Síria, dizendo que o seu mandato era somente para mediar as negociações sobre uma resolução da ONU a respeito de eleições, governo e uma nova constituição.

Anunciando o início “oficial” das negociações de paz para terminar com quase cinco anos de guerra civil, Staffan de Mistura também afirmou que seria um sinal positivo para prosseguir com as discussões em Genebra se o governo libertasse mulheres e crianças presas.

"Então, aqui vem o desafio”, declarou ele.

"Havia uma mensagem que quando o diálogo de Genebra começasse de fato, em paralelo deveria haver o início de uma discussão séria sobre cessar-fogo”, disse ele à imprensa depois de uma reunião de duas horas com o Alto Comitê de Negociações, grupo opositor com o apoio dos sauditas, na sede das Nações Unidas em Genebra.

Esse era um tema que não fazia parte do seu mandato, disse o enviado das Nações Unidas, e que deveria ser tratado imediatamente pelo Grupo Internacional de Apoio à Síria (ISSG).

"Eu estou simplesmente lembrando os membros do ISSG do que eles de fato indicaram, que quando as negociações começassem, eles mesmos começariam a ajudar a assegurar uma discussão sobre um cessar-fogo geral no conflito sírio.”

O ISSG vai da Rússia e do Irã, que dão apoio ao presidente da Síria, Bashar al-Assad, aos Estados Unidos, países do Golfo, Turquia e países europeus, que ajudam os rebeldes militarmente e exigem a saída de Assad.

O grupo tem uma reunião sinalizada para Munique em 11 de fevereiro. Staffan de Mistura fez um chamado para que “se garanta que o que estamos fazendo aqui tenha apoio internacional, e não simplesmente deixando os sírios sozinhos nisso”.

Ele afirmou que entendeu a preocupação da oposição de reduzir imediatamente o sofrimento dos sírios e que ele retomaria o diálogo com o governo na terça-feira para tratar do assunto antes de se encontrar com a oposição novamente.

(Reportagem de John Irish)

((Tradução Redação São Paulo, 5511 56447765)) REUTERS TR

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos