Rio 2016 diz que Zika preocupa, mas não causou desistência de ingressos e viagens

  • RICARDO MORAES

RIO DE JANEIRO (Reuters) - O comitê organizador Rio 2016 afirmou nesta terça-feira estar preocupado com a disseminação do vírus Zika, assim como a Organização Mundial da Saúde (OMS), mas garantiu que até agora não registrou devoluções de ingressos ou cancelamentos de viagens para os Jogos em decorrência de temores com a doença.

Apesar de a OMS ter alertado para a disseminação de "forma explosiva" do mosquito transmissor da doença, o Aedes aegypti, com possibilidade de infectar 4 milhões de pessoas nas Américas, os organizadores dos Jogos disseram que turistas continuam interessados em viajar à cidade para o evento.

"Não houve desistência de ingressos nem cancelamento de viagens", afirmou o diretor de Comunicação do Rio 2016, Mario Andrada, em entrevista coletiva sobre os seis meses finais de preparação para o evento.

As preocupações com o Zika no Brasil aumentaram em consequência dos cerca de 4 mil casos suspeitos de má-formação craniana em recém-nascidos registrados no país relacionados ao vírus, o que levou a agência de saúde da ONU a declarar uma emergência internacional de saúde pública.

Até o momento, a entidade sediada na Suíça não impôs restrições ao trânsito de pessoas, mas o ministro-chefe da Casa Civil, Jaques Wagner, reconheceu na segunda-feira que pode haver um “recolhimento” do turismo no Brasil. [nL2N15H0HU]

O Rio 2016 disse que seguirá as orientações da OMS sobre recomendações de viagens à cidade.

"As informações devem ser repassadas pelas autoridades públicas e a OMS, e até o momento não estamos preocupados em termos de não aconselhar as pessoas a virem para o Rio durante os Jogos", disse o chefe da área médica do comitê organizador, João Grangeiro.

Sobre mulheres grávidas com planos de viajar à cidade para a Olimpíada, Granjeiro reiterou as orientações da OMS.

"A OMS entende que as mulheres grávidas são um grupo de risco, e nesse grupo de risco é importante para as mulheres grávidas visitarem seu médico, discutirem com o seu médico possíveis problemas que podem acontecer vindo para cá e possivelmente sendo infectadas pelo Zika, e como elas devem prevenir", disse.

Na segunda-feira, a diretora-geral da OMS, Margaret Chan, disse que adiar viagens é algo que as gestantes "podem considerar", acrescentando que, se elas precisarem viajar, devem tomar medidas de proteção pessoal, como cobrir o corpo e usar repelente de mosquitos.

O especialista da agência para a área de saúde materna e infantil Anthony Costello disse nesta terça que mulheres que desejam viajar para os Jogos e não pretendem ficar grávidas devem tomar "toda precaução para evitar a gravidez".

De acordo com o Rio 2016, medidas adicionais serão adotadas pelo comitê para combater o Zika, como inspeção em locais de competição e treinamento de funcionários e voluntários sobre formas de erradicação do mosquito Aedes aegypti.

Os custos para adoção dessas medidas não terão impacto no orçamento do evento, uma vez que são práticas que não envolvem aumento de gasto significativo, de acordo com o comitê.

O Rio 2016 e as autoridades de saúde também acreditam numa redução do número de casos de Zika na cidade a partir de abril, quando o clima fica mais seco e frio, condições adversas para a reprodução do mosquito transmissor.

Os Jogos do Rio acontecem de 5 a 21 de agosto.

(Reportagem adicional de Stephanie Nebehay, em Genebra)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos