Assange deixará embaixada do Equador e aceita prisão se perder caso na ONU, diz Wikileaks

SYDNEY (Reuters) - O fundador do Wikileaks, Julian Assange, vai deixar na sexta-feira a embaixada do Equador em Londres, onde está abrigado desde junho de 2012 para evitar a extradição para a Suécia, e aceitar ser preso se um comitê da ONU que investiga seu caso decidir contra ele, disse o australiano em comunicado publicado nesta quinta-feira na conta de Twitter do Wikileaks.

Assange buscou refúgio na embaixada equatoriana para evitar ser extraditado para a Suécia, onde é investigado por acusações de abuso sexual e estupro feitas por duas mulheres em 2010. Ele nega as acusações.

(Reportagem de Matt Siegel)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos