Obama pede à Rússia que pare de bombardear rebeldes "moderados" na Síria

BEIRUTE/WASHINGTON (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, pediu neste domingo que a Rússia pare imediatamente de bombardear rebeldes "moderados" na Síria em apoio a seu aliado Bashar al-Assad, uma campanha vista pelo Ocidente como um grande obstáculo aos últimos esforços para acabar com a guerra.

As grandes potências chegaram a um acordo na sexta-feira para um limitado cessar de hostilidades na Síria, mas o entendimento não tem efeito até o final desta semana e não foi assinado por nenhuma das partes em guerra-- o governo de Damasco e as diversas facções rebeldes que o combatem.

Bombardeios russos mirando grupos rebeldes estão, enquanto isso, ajudando o exército sírio a obter o que poderia ser sua maior vitória na guerra, na batalha por Aleppo, que era a maior cidade e centro comercial do país antes do conflito.

O Kremlin disse que o presidente Vladimir Putin e Obama concordaram em intensificar a cooperação para implementar o acordo sobre a Síria, em um encontro em Munique.

Após uma ligação telefônica entre Putin e Obama, o Kremlin disse que ambos avaliaram positivamente a reunião em Munique.

O posicionamento do Kremlin deixou claro que a Rússia está comprometida em sua campanha contra o Estado Islâmico e "outras organizações terroristas", em uma indicação de que também podem estar em sua mira grupos ao oeste da Síria, onde jihadistas como a Al Qaeda estão lutando contra Assad em estreita proximidade com rebeldes vistos como moderados pelo Ocidente.

A Rússia disse que o cessar de hostilidades não se aplica aos ataques aéreos, que mudaram o balanço de forças a favor de Assad.

O país disse que o Estado Islâmico e a afiliada da Al Qaeda Nusra Front são os principais alvos da campanha aérea, mas países ocidentais dizem que a Rússia na verdade tem mirado principalmente outros grupos insurgentes, incluídos alguns apoiados pelo Ocidente.

A Casa Branca disse que a discussão entre Obama e Putin focou a necessidade de ajuda humanitária à Síria e a contenção dos ataques aéreos.

"Em particular, o presidente Obama enfatizou a importância de agora a Rússia ter um papel construtivo, cessando sua campanha aérea contra forças moderadas de oposição na Síria", disse a Casa Branca em comunicado.

(Por Tom Perry e Jeff Mason)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos