Papa visita sul pobre e indígena do México para tentar conter perda de fiéis

Por Philip Pullella e Joanna Zuckerman Bernstein

SAN CRISTÓBAL DE LAS CASAS, México (Reuters) - O papa Francisco viaja nesta segunda-feira para o sul pobre e indígena do México, que ficou muito para trás de regiões mais ricas do país e onde ele autorizou o uso de línguas nativas na missa na tentativa de estancar uma onda de conversões protestantes.

Assolado pela pobreza e pela insegurança crescente, o Estado de Chiapas foi o cenário do levante zapatista de rebeldes maias nos anos 1990, e hoje é a linha de frente da repressão governamental à imigração ilegal aos Estados Unidos a partir da América Central.

    Quando os zapatistas irromperam em cena, mais de dois terços da população de Chiapas era de católicos. Desde então, a expansão do cristianismo evangélico nas cidades indígenas pobres reduziu essa cifra para cerca de 60 por cento, tornando-a a região menos católica do país.

    Na cidade colonial montanhosa de San Cristóbal de las Casas, o papa irá visitar a igreja que abriga a tumba de Samuel Ruiz, defensor dos direitos indígenas que serviu como mediador entre os zapatistas e o governo.

    Ruiz, que morreu em 2011, pleiteou durante muito tempo a permissão para que as missas pudessem ser realizadas em idiomas como o tzotzil porque muitos dos moradores maias da área não falam espanhol.

    Antes da madrugada desta segunda-feira as pessoas já se reuniam ao longo da rua diante de um estádio esportivo em San Cristóbal onde o papa irá realizar uma missa, muitas delas índias com vestimentas tradicionais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos