S&P diz que política econômica errática pesa sobre perspectiva do Brasil

Por Silvio Cascione

BRASÍLIA (Reuters) - A Standard & Poor's disse nesta quinta-feira que pode cortar o rating do Brasil ainda mais, conforme a crise política atrasa medidas importantes para reequilibrar as finanças do país.

A diretora da S&P Lisa Schineller afirmou em teleconferência que vai manter a perspectiva negativa para o rating do país enquanto as incertezas políticas permanecerem, sugerindo uma chance grande de outro rebaixamento após o movimento de quarta-feira.

A agência de classificação de risco rebaixou a nota do Brasil para "BB", de "BB+", apenas cinco meses depois de se tornar a primeira a tirar o grau de investimento do país.

O déficit fiscal do Brasil deve permanecer alto e o crescimento econômico fraco, com o processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff adiando a adoção de medidas para aumentar as receitas e reduzir os gastos do governo.

"A dinâmica política fluida mantém na mesa o risco de inconsistência de política econômica e reversões de política econômica", disse Lisa. "Vamos revisar a perspectiva para estável se virmos condições para uma execução consistente de política econômica."

Lisa afirmou que a reforma da Previdência proposta pelo ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, é "muito importante", mas como outras iniciativas enfrenta desafios políticos. Ela também destacou o risco de resultados fiscais mais fracos em meio a discussões para adotar uma meta fiscal flexível.

"A trajetória fiscal continua a enfraquecer. A capacidade de correção no curto prazo é definitivamente desafiadora", disse ela.

Lisa também citou uma "possibilidade muito grande" de que a Petrobras receba algum apoio extraordinário do governo conforme a empresa busca reduzir sua dívida.

"Esperamos que o governo esteja presente para fornecer assistência em um momento derradeiro se necessário", disse Lisa.

Duas fontes disseram que bancos estatais estariam considerando converter parcialmente ou totalmente a dívida da Petrobras em ações. A empresa mais endividada do mundo sofre com uma forte queda nos preços do petróleo e um escândalo de corrupção.

O déficit orçamentário brasileiro disparou desde que Dilma assumiu a presidência em 2011. O déficit chegou a 10,3 por cento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2015, quase cinco vezes o déficit dos 12 meses até meados de 2011.

A economia brasileira caminha para a pior recessão desde que os registros começaram em 1901, após retração estimada em cerca de 4 por cento no ano passado. Mais de 1,5 milhão de pessoas perderam seus empregos no ano passado, o que ajudou a derrubar a aprovação de Dilma.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos