Embraer abre negociações com Irã, com foco em aviação comercial

  • NACHO DOCE

SÃO JOSÉ DOS CAMPOS, São Paulo (Reuters) - A Embraer iniciou conversas com o Irã após o fim do embargo comercial internacional ao país e está em discussões preliminares sobre vendas de aviões comerciais ao país.

"Começamos a conversar semanas atrás. Está começando a discussão, muito preliminar", disse nesta quinta-feira o presidente da Embraer, Frederico Curado, durante apresentação oficial do E190-E2, primeiro da segunda geração de aviões comerciais E-Jets da companhia.

O governo iraniano tem interesse em comprar 50 jatos da fabricante brasileira, disse uma fonte do Palácio do Planalto à Reuters nesta semana.

Perguntado se o país tem interesse no cargueiro KC-390, Curado disse que o foco da conversa têm sido aviação comercial.

O Irã precisa repor toda a frota de aviação, após anos de embargo que barrou importações do país. Após fechar negócio de 114 Airbus, o Irã precisa também de jatos de aviação regional.

Se o Irã quiser aviões antes de 2018, quando o E190 de segunda geração entra em serviço, disse Curado, a opção teria que ser pela primeira geração.

"Para 2019 também estamos bastante comprometidos (com encomendas)", disse.

PLANOS

A apresentação E190-E2 abre caminho para o início dos testes que serão feitos antes do primeiro voo. Da mesma família, o E195-E2 deve entrar em serviço em 2019 e o E175-E2, em 2020.

Devido ao tamanho das aeronaves, com 70 a 130 assentos, os E-Jets são considerados eficientes para rotas regionais. Desde o lançamento, a família obteve 640 pedidos, dos quais 267 firmes e 373 opções e direitos de compra.

"O avião (E190-E2) vai entrar no mercado só daqui a dois anos, é um começo extraordinário; nunca tivemos antes dois anos antes tanta demanda assegurada", disse Curado.

Sobre o mercado norte-americano, o executivo disse que a Embraer vê com otimismo a chance de grandes aéreas usarem aviões na faixa de 100 assentos, dependendo de negociações com pilotos, devido ao limite para rotas regionais em cerca de 76 assentos.

"Se isso acontecer, a demanda pelo E190 e pelo E195 tende a crescer nos Estados Unidos, seria uma coisa muito positiva, que nesse momento ainda é incipiente".

Curado disse esperar amadurecimento do mercado asiático, com empresas substituindo aviões maiores em rotas com menor demanda para melhorar a ocupação, diversificando a frota.

A Embraer afirmou que o alcance do E195-E2 cresceu em 800 quilômetros devido à maior capacidade para combustível.

Quanto ao Brasil, apesar da ausência dos incentivos do plano de aviação regional em meio à crise econômica, executivos da empresa disseram ver a aviação regional com bons olhos.

"Mais importante que o apoio que ia ser dado são os investimentos em infraestrutura e novas pistas em aeroportos. Isso sim vai levar a um desenvolvimento maior da aviação regional no país", disse Paulo Cesar Silva, presidente da Embraer Aviação Comercial. Mas o executivo reconheceu que o mercado não está bom para investimento agora.

(Por Priscila Jordão)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos