Advogado da Apple e diretor do FBI se enfrentarão diante de Congresso dos EUA

WASHINGTON (Reuters) - A Apple e o FBI defenderão suas posições diante de um painel do Congresso norte-americano nesta terça-feira a respeito de uma ordem judicial para forçar a empresa de tecnologia a fornecer dados do iPhone de um dos atiradores de San Bernardino ao FBI.

Na quinta-feira, a Apple entrou com uma moção contra a decisão judicial, mantendo a posição defendida pelo presidente-executivo da empresa, Tim Cook, de que poderia ir até a Suprema Corte dos Estados Unidos.

O advogado geral da Apple, Bruce Sewell, argumentará nesta terça-feira que criar uma ferramenta para destravar o aparelho enfraqueceria a segurança de centenas de milhões de dispositivos Apple, segundo os comentários preparados de Sewell para o Comitê Judiciário da Câmara dos Deputados dos EUA.

"Hackers e cibercriminosos podem usar isso para causar estragos em nossa privacidade e segurança pessoal", disse nos comentários.

Sewell deporá diretamente depois do diretor do FBI James Comey, que disse a parlamentares na semana passada ser improvável que criar uma técnica de destravamento fosse um precursor para o estabelecimento de um precedente legal e não seria usado para acessar aparelhos da Apple de gerações futuras.

(Por Julia Harte e Julia Edwards)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos