Colheita de soja em MT avança para dois terços da área sem perda de produtividade

SÃO PAULO (Reuters) - A colheita de soja em Mato Grosso, principal Estado produtor de grãos do país, já alcança dois terços da área plantada e até o momento as produtividades têm se mantido no mesmo nível registrado na temporada passada, informou nesta sexta-feira o Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (Imea).

Os trabalhos avançaram esta semana para 65,9 por cento da área, ante 52,5 por cento na semana passada, e 67,1 por cento um ano atrás.

A produtividade média registrada na última semana ficou em 52,14 sacas de 60 kg por hectare, praticamente idêntica à vista no mesmo período da temporada anterior.

No fim do ano passado, grandes irregularidades nas chuvas no Centro-Oeste chegaram a colocar em dúvida o tamanho da safra de Mato-Grosso, que representa um terço da produção nacional.

A regularização das precipitações em boa parte das áreas ao longo de janeiro e fevereiro parecem ter permitido uma ampla recuperação das condições das lavouras.

A dúvida dos agricultores volta-se agora para o rendimento das lavouras de ciclo tardio, algumas das quais ainda estão na fase crucial de enchimento de grão, segundo o diretor técnico da Associação dos Produtores de Soja de Mato Grosso (Aprosoja MT), Nery Ribas.

"Na região leste do Estado, as chuvas deram uma escasseada, não pararam, mas há altas temperaturas. Isso pode influenciar a produtividades", disse Ribas.

Por outro lado, a previsão do tempo indica chuvas prolongadas na região para os próximos dias.

"No Mato Grosso, Goiás e em Minas Gerais, o tempo seguirá mais fechado e com chuvas a qualquer hora do dia não só nesta sexta-feira, mas durante os próximos dez dias", disse o agrometeorologista da Somar Meteorologia, Marco Antônio dos Santos.

"Isso poderá atrapalhar e até mesmo inviabilizar os trabalhos de colheita da soja... podendo gerar algumas perdas pontuais, pelo excesso de umidade sobre as plantas. Tempo aberto, somente no início da próxima quinzena", completou Santos.

 

GOIÁS

Em Goiás, Estado vizinho a Mato Grosso e que ocupa a quarta posição no ranking dos produtores de soja, o clima desde o início do ano tem permitido boas surpresas para os produtores rurais, apesar do atraso no plantio e um início de safra com chuvas abaixo da média.

"Como este é um período crucial para determinar a produtividade da soja, já que predomina a fase de enchimento de grãos, o potencial produtivo se recuperou e os resultados têm surpreendido os agricultores", disse a coordenadora de Inteligência de Mercado da consultoria INTL FCStone, Natália Orlovicin.

A FCStone disse que as chuvas de janeiro e fevereiro permitiram um crescimento vegetativo de saudável em Goiás.

"A maior parte das microrregiões produtoras do Estado apresenta um 'baixo risco' associado a perdas de produtividade por causa do clima", completou a analista.

Na quarta-feira, a FCStone elevou sua estimativa para a safra brasileira de soja, a 98,6 milhões de toneladas, ante 98 milhões de toneladas do relatório em janeiro, principalmente por melhorias na projeção para Goiás.

 

(Por Gustavo Bonato)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos