Familiares de passageiros do voo MH370 processam Malaysia Airlines perto do fim de prazo legal

  • OLIVIA HARRIS

KUALA LUMPUR (Reuters) - As famílias de 12 passageiros do voo MH370 da Malaysia Airlines entraram com processos contra a companhia aérea nesta sexta-feira para não perderem um prazo de dois anos para ações legais.

O voo MH370 desapareceu no dia 8 de março de 2014 quando ia de Kuala Lumpur a Pequim com 239 passageiros e tripulantes a bordo.

Várias ações foram apresentadas em tribunais dos Estados Unidos, da Austrália, da China e da Malásia nas últimas semanas, e outras são esperadas até a próxima terça-feira, quando vence o prazo para as medidas legais.

Familiares de dois passageiros ucranianos entraram com processos no Supremo Tribunal malaio contra a Malaysia Airlines. As famílias de um passageiro russo, um chinês e oito malaios estão processando o governo da Malásia, a empresa aérea, o diretor-geral do Departamento de Aviação Civil e a Força Aérea malaia.

Sangeet Kaur Deo, advogado das famílias russa, chinesa e malaias, disse que elas pedem indenizações não especificadas por negligência, violação de contrato e violação de dever estatutário. Ele ainda afirmou que, embora a aeronave não tenha sido encontrada, os passageiros e tripulantes foram dados como mortos.

"Acho que muitas famílias estavam tentando negociar acordos, mas nada de sensato partiu da Malaysia Airlines. E por essa razão, para garantir seus direitos legais, todas elas decidiram entrar com processos antes de terça-feira", disse Sangeet Kaur a repórteres após a audiência.

Um pedaço de uma asa encontrado em uma praia da ilha Reunião, na costa de Madagascar, no ano passado é o único destroço do MH370 descoberto até hoje, mas oferece poucas pistas sobre o que de fato aconteceu com o avião.

Nesta semana, um destroço encontrado na costa sudeste da África foi enviado à Austrália para ser analisado.

Também nesta sexta-feira, o Supremo Tribunal ouviu um pedido do governo malaio e da Malaysia Airlines Berhad (MAB), a nova designação da Malaysia Airlines (MAS), para que a corte rejeite uma ação de dois adolescentes filhos de dois passageiros.

Em sua ação, o governo e a MAB argumentam que esta última não pode ser responsabilizada pelo voo MH370 por que a nova empresa foi criada oito meses após o desaparecimento da aeronave.

A MAS transferiu todos seus ativos e suas operações à MAB no ano passado como parte de um exercício de reestruturação. As famílias agora temem não receber qualquer compensação da MAS.

(Por Rozanna Latiff)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos