China busca manter ritmo de crescimento e combate a desemprego em plano quinquenal

Por Xiaoyi Shao e Jake Spring

PEQUIM (Reuters) - A China enfrenta uma dura batalha para manter sua economia crescendo em pelo menos 6,5 por cento pelos próximos cinco anos, criando mais empregos e reestruturando setores ineficientes da indústria, disse o premiê Li Keqiang ao abrir sessão anual do Parlamento chinês neste sábado.

Um crescimento de 6,5 por cento seria um forte ritmo anual para a maioria dos países, mas seria o mais lento para a China em um quarto de século, à medida que a segunda maior economia do mundo enfrenta voláteis mercados financeiros, comércio global mais moderado e esforços para reduzir a degradação ambiental.

"O desenvolvimento de nosso país enfrenta mais e maiores dificuldades… então devemos estar preparados para uma dura batalha", disse Li.

Em 2016, Pequim vai mirar uma taxa de crescimento entre 6,5 e 7 por cento, conforme informado anteriormente pela Reuters, com uma meta de inflação de cerca de 3 por cento, de acordo com uma série de relatórios que abrirão o parlamento, que tem duração de 12 dias.

Mas a meta preliminar de gerenciar um déficit fiscal equivalente a 3 por cento do PIB, embora seja maior do que a meta do ano passado de 2,3 por cento, ainda decepcionou quem esperava que esse número ficasse mais perto de 4 por cento.

(Reportagem adicional de Kevin Yao, Sue-Lin Wong, Zhang

Xiaochong, Adam Rose, Kathy Chen, Niu Shuping, e Michael

Martina)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos