Padre indiano sequestrado em ataque mortal no Iêmen; papa condena apatia global

ADEN/CIDADE DO VATICANO (Reuters) - Homens armados mataram pelo menos 15 pessoas em um asilo de idosos no Iêmen, na semana passada, e sequestraram um sacerdote indiano, disseram autoridades no domingo.

O papa Francisco condenou o ataque e a "indiferença" do mundo ao ocorrido.

Ninguém assumiu a responsabilidade pelo incidente de sexta-feira, quando quatro homens armados posando como parentes de um dos residentes do asilo mataram quatro freiras indianas, duas funcionárias iemenitas, oito idosos residentes e um guarda.

A ministra das Relações Exteriores indiana, Sushma Swaraj, disse no Twitter que um cidadão indiano identificado como padre Tom Ezhunnalli tinha sido "sequestrado por terroristas no Iêmen".

Ela disse que as autoridades na vizinha Djibouti estavam tentando encontrar e libertar o padre. Autoridades na cidade de Aden, no sul do Iêmen, confirmaram que o padre havia sido sequestrado e disseram que o ataque estava sendo investigado.

O incidente provocou protestos generalizados, incluindo do papa e do governo do presidente Abd-Rabbu Mansour Hadi, que chamou de um ato de terrorismo.

O papa Francisco chamou as freiras de "mártires de hoje", porque elas foram vítimas de seus assassinos e da indiferença global. "Elas não estão nas primeiras páginas dos jornais, elas não são notícia. Eles deram o seu sangue para a Igreja", ele disse em sua mensagem de domingo para milhares de pessoas na Praça de São Pedro.

(Reportagem de Mohammed Mukhashaf em Aden e Philip Pullella em Roma)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos