Ataques palestinos aumentam durante visita de Biden a Israel

JERUSALÉM (Reuters) - Dois agressores palestinos abriram fogo contra carros em Jerusalém, ferindo um homem antes de serem mortos a tiros pela polícia nesta quarta-feira, informou a polícia, em ataques ocorridos durante visita do vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden.

Pouco após a troca de tiros, soldados israelenses mataram a tiros um palestino que tentou esfaqueá-los na Cisjordânia, informou o Exército.

Os ataques ocorrem um dia após um turista norte-americano ser morto em Tel Aviv por um palestino que iniciou ataques com faca a poucos quarteirões do encontro entre Biden e o ex-presidente israelense Shimon Peres.

No Twitter, Biden descreveu o ato como um "ataque trágico... tirando a vida de um norte-americano" e disse que "não há justificativa para tais atos de terror". Não houve comentário imediato de autoridades palestinas.

Desde outubro, ataques a tiros, facas e atropelamentos por palestinos mataram 28 israelenses e dois cidadãos norte-americanos. Forças israelenses mataram pelo menos 179 palestinos, 121 dos quais Israel descreve como agressores. A maioria dos outros foi morta a tiros durante protestos violentos.

O chefe da polícia nacional israelense disse não ver ligação direta entre a visita de Biden e o crescimento do número de ataques.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos