Estudo reforça ligação entre Zika vírus e microcefalia

Por Kate Kelland

LONDRES (Reuters) - Pesquisadores de um estudo publicado na revista médica The Lancet disseram que o risco de microcefalia é de cerca de 1 para cada 100 mulheres infectadas com o Zika vírus durante o primeiro trimestre de gravidez.

O estudo analisou um surto de Zika de 2013 e 2014 na Polinésia Francesa.

Embora mais pesquisas sejam necessárias para compreender os mecanismos biológicos através dos quais o Zika pode causar a microcefalia, afirmaram os pesquisadores, estes resultados sugerem que a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS) de que as grávidas devem se proteger dos mosquitos é uma precaução saudável.

"Nossa análise apoia fortemente a hipótese de que a infecção pelo vírus Zika durante o primeiro trimestre da gravidez está associada a um risco aumentado de microcefalia", disse Simon Cauchemez, especialista em modelagem matemática de doenças infecciosas do Instituto Pasteur, que co-liderou o estudo.

A OMS declarou em 1º de fevereiro que a suspeita de ligação entre a microcefalia, uma má-formação cerebral, e um surto do Zika vírus do Brasil representa uma emergência de saúde pública.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos