Obama abordará temas polêmicos com Raúl Castro durante visita histórica a Cuba

Por Daniel Trotta e Matt Spetalnick

HAVANA (Reuters) - O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, trocará os passeios turísticos pelos assuntos de Estado nesta segunda-feira, segundo dia de sua visita histórica a Cuba, e irá pressionar o presidente cubano, Raúl Castro, a realizar reformas econômicas e democráticas, mas também irá ouvir queixas sobre a manutenção das sanções econômicas norte-americanas.

Obama e Raúl farão sua quarta reunião, provavelmente a mais substancial, no Palácio da Revolução, onde Raúl e seu irmão mais velho e antecessor, Fidel Castro, mantiveram viva a resistência de Havana à pressão dos EUA durante décadas.

Uma visita de um presidente dos Estados Unidos ao coração do poder cubano seria impensável antes da reaproximação operada por Obama e Raúl 15 meses atrás, quando concordaram em encerrar uma disputa nascida na Guerra Fria que durou cinco décadas e continuou mesmo após o fim da União Soviética.

Os dois líderes têm diferenças profundas para debater enquanto tentam reconstruir a relação bilateral.

Em casa, críticos de Obama querem que ele pressione o governo comunista de Raúl a permitir a dissidência política e abrir mais sua economia estatal de perfil soviético.

Seus assessores disseram que Obama irá incentivar a adoção de mais reformas econômicas e de mais acesso à Internet para os cubanos.

"Uma das coisas que estaremos anunciando aqui é que o Google tem um acordo para começar a disponibilizar mais acesso a Wi-Fi e Internet de banda larga na ilha", disse Obama à rede de televisão ABC News em uma entrevista exibida nesta segunda-feira. Ele não deu maiores detalhes, e não foi possível falar com representantes do Google de imediato.

O governo Obama espera ver mudanças também no congresso do Partido Comunista no mês que vem, mas duvida de qualquer abertura política.

Mesmo assim, Obama prometeu conversar sobre liberdade de expressão e de reunião em Cuba. "Irei abordar estes temas diretamente com o presidente Raúl", afirmou o mandatário ao grupo dissidente Damas de Branco em uma carta de 10 de março.

Raúl já afirmou que Cuba não irá romper com sua revolução de 57 anos, e autoridades governamentais disseram que os EUA precisam encerrar seu embargo econômico e devolver a base naval da Baía de Guantánamo a Cuba para que as duas nações possam usufruir de relações normais.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos