Oposição da África do Sul diz que tomará ações necessárias para retirar presidente

JOHANESBURGO (Reuters) - O principal partido de oposição da África do Sul vai adotar toda e qualquer ação necessária para retirar do cargo o presidente sul-africano, Jacob Zuma, caso o Parlamento não o faça, disse a legenda nesta sexta-feira, um dia depois de o Tribunal Constitucional do país declarar que o mandatário violou a Constituição.

A corte afirmou que Zuma falhou em manter, defender e respeitar a Constituição por ignorar as instruções de devolver parte dos 16 milhões de dólares de verba estatal gastos na modernização de sua residência particular.

"Não podemos ter Jacob Zuma e a Constituição no mesmo Parlamento. Estas duas coisas não podem coexistir", disse Mmusi Maimane, líder da Aliança Democrática (DA, na sigla em inglês) em uma coletiva de imprensa.

Na quinta-feira, o partido disse ter dado início a um processo de impeachment contra Zuma, mas a medida dificilmente terá sucesso, porque o governista Congresso Nacional Africano (ANC) desfruta de uma maioria confortável na legislatura.

Mas a reprovação judicial ao presidente pode encorajar uma facção anti-Zuma dentro do ANC a desafiar sua liderança. O antigo movimento de libertação governa a África do Sul desde o final do apartheid, em 1994, quando Nelson Mandela se tornou o primeiro presidente negro da nação.

"Agora é a hora de o ANC retirar Zuma", disse Boikie Motsi, guardador de carros de 43 anos em um parque de Joanesburgo, à Reuters nesta sexta-feira.

O DA também conclamou o presidente do parlamento, Baleka Mbete, a renunciar depois que o Tribunal Constitucional determinou que a Assembleia Nacional também violou a lei.

(Por Nqobile Dludla)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos