Com chegada de estação turística, Grécia tenta transferir imigrantes acampados em porto

Lefteris Karagiannopoulos

Em Atenas

  • Thanassis Stavrakis/AP

Determinada a limpar o terreno para a lucrativa temporada turística do verão regional, a Grécia está tentando retirar milhares de imigrantes de seu maior porto, onde dormem ao relento, persuadindo-os de que ficarão melhores em centros de recepção organizados.

Mais de 50 mil imigrantes estão retidos no país devido ao fechamento das fronteiras de países localizados ao longo dos Bálcãs, o que isola um corredor terrestre em direção ao norte rico da Europa que foi usado por um milhão de pessoas fugindo de conflitos e da pobreza no Oriente Médio, na África e na Ásia.

O porto de Pireu é a principal porta de entrada para as ilhas gregas do Mar Egeu, muito apreciadas pelos turistas, mas também para o êxodo anual de gregos do território continental que vão comemorar a Páscoa da igreja ortodoxa.

Por isso as autoridades gregas, ansiosas para não afugentar o comércio turístico vital para o tesouro depauperado do país repleto de dívidas, estão passando apertos para deixar claro para os imigrantes acampados que Pireu não é seu lar.

Com essa finalidade, puseram em circulação em Pireu e em outras áreas da Grécia um panfleto sobre os campos de imigrantes improvisados que mostra uma criança de expressão radiante, um homem fazendo um sinal de coração com os dedos e um menino mastigando uma banana, e com a legenda:

"As fronteiras com outros Estados europeus agora estão bloqueadas em todas as direções, e infelizmente não há esperança de que as reabram no futuro previsível".

O panfleto, publicado pela Guarda Costeira grega em árabe, farsi, inglês e grego, é uma estratégia sutil para induzir os imigrantes a rumarem para os centros de recepção.

"O povo grego sempre será seu amigo", acrescenta o texto.

Mais de 4 mil imigrantes estavam acampados em Pireu nesta segunda-feira, e mais de 11 mil outros em Idomeni, um posto de fronteira do norte onde a polícia da Macedônia disparou gás lacrimogêneo para afastar os imigrantes desesperados que avançaram sobre a cerca da divisa no domingo.

A reação ao panfleto foi uma mistura de resignação e suspeita.

"Acho que será melhor lá (no centro de recepção). Tem que ser. Estou cansado deste lugar", disse Osama Jamal, sírio de 30 anos.

Nesta segunda-feira as autoridades gregas enviaram ônibus para transferir imigrantes de Pireu para docas ao noroeste da capital Atenas, e havia sinais de que os refugiados estavam a caminho.

Mas alguns não se convenceram, temerosos de que ficariam essencialmente aprisionados nos centros.

"Acho que tudo que podemos fazer é esperar aqui", disse o sírio Furat Mamo. 

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos