Protesto interrompe parcialmente trabalhos na obra mais atrasada para Jogos do Rio

RIO DE JANEIRO (Reuters) - A obra mais atrasada entre as arenas olímpicas do Rio de Janeiro, o Velódromo, sofreu uma paralisação parcial nesta segunda-feira, durante uma mobilização de funcionários que trabalharam no local e cobram pagamentos atrasados.

Segundo a empresa olímpica municipal, funcionários que trabalharam para uma das construtoras responsáveis pela obra fizeram uma manifestação para cobrar atrasados.

A dívida da empresa Tecnosolo viria desde dezembro com trabalhadores que já atuaram no canteiro de obras. Alguns funcionários que ainda prestam serviço na obra do Velódromo prestaram solidariedade aos ex-companheiros de trabalho e a obra parou em parte da manhã desta segunda.

A prefeitura foi acionada e se comprometeu a bancar os atrasados da Tecnosolo e vai descontar da empresa o que ainda tem a pagar à construtora. Os valores não foram revelados.

A obra do Velódromo está com cerca de 83 por cento de execução, e os organizadores correm para finalizar a obra até o fim de maio para que os atletas possam testar a pista. O evento-teste que estava previsto para o Velódromo teve de ser cancelado pelo atraso.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos