Terremoto representará 'imenso' impacto econômico ao Equador; mortos passam de 400

PORTOVIEJO/PEDERNALES, Equador (Reuters) - Ao visitar uma cidade devastada pelo terremoto que matou pelo menos 413 pessoas, o presidente do Equador, Rafael Correa, contemplou nesta segunda-feira uma reconstrução no valor de bilhões de dólares e um impacto potencialmente “imenso” para a frágil economia do país integrante da Opep.

Contudo, os traumatizados sobreviventes que Correa encontrou no seu giro dois dias depois do tremor de magnitude 7,8 tinham preocupações bem mais imediatas: muitos lhe pediram água.

Com a possibilidade de o número de mortos subir ainda mais e diante das áreas de casas, ruas e pontes destruídas, um Correa visivelmente emocionado e com uma expressão triste alertou que o maior desastre do Equador em décadas representaria um grande custo para o país pobre dos Andes.

"A reconstrução vai custar bilhões de dólares”, declarou Correa na cidade bastante atingida de Portoviejo, onde sobreviventes o cercaram pedindo ajuda. O impacto econômico “pode ser imenso”, acrescentou.

O crescimento do país, que depende bastante do petróleo e das exportações, já era previsto para quase zero neste ano devido à queda dos rendimentos com petróleo.

A indústria de energia parecia ter evitado danos, embora a principal refinaria de Esmeraldas estivesse fechada como precaução. No entanto, as exportações de bananas, flores e peixes poderiam desacelerar devido às estradas destruídas e aos atrasos em portos.

(Por Ana Isabel Martinez e Julia Symmes Cobb)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos