Ibovespa fecha no maior nível em quase 10 meses com exterior e alta de commodities

Por Priscila Jordão

SÃO PAULO (Reuters) - O principal índice da Bovespa fechou esta terça-feira no maior nível em quase dez meses nesta terça-feira, com o quadro externo favorável em meio ao avanço dos preços do petróleo e ações de siderurgia e mineração entre as maiores valorizações.

Na cena local, investidores monitoraram desdobramentos do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff.

O Ibovespa encerrou em alta de 1,54 por cento, a 53.710 pontos, no maior nível desde 26 de junho de 2015. O giro financeiro da sessão somou 7,93 bilhões de reais.

O dia foi positivo para commodities. Os preços do petróleo subiram com força, conforme uma greve de trabalhadores da indústria no Kuwait praticamente reduziu à metade a produção no país membro da Opep, ao passo que o preço do minério de ferro subiu nos mercados futuros e à vista.

Ativos de risco no exterior reagiram bem ao cenário, levando junto a Bovespa, que passou por realização de lucros na véspera que fez o Ibovespa fechar em baixa de 0,63 por cento.

No plano doméstico, após a aprovação na Câmara dos Deputados da abertura do processo de impeachment de Dilma no domingo, o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), disse que a eleição da comissão especial do impeachment deve ocorrer na próxima terça e terá até dez dias úteis para apresentar parecer sobre a admissibilidade do processo.

"A bolsa continua com investidores comprados com a ideia de que o impeachment vai avançar... O mercado tenta entender qual será o plano de política econômica do (vice-presidente Michel) Temer, seja de forma interina ou assumindo a Presidência", disse o analista da Clear Corretora Raphael Figueredo.

Temer mantém conversas reservadas com profissionais do mercado, em meio a sondagens e expectativas sobre a composição de eventual nova equipe ministerial, segundo fontes.

DESTAQUES

-VALE subiu 8,72 por cento na preferencial e 7,4 por cento na ação ON, entre as maiores altas do Ibovespa, após valorização de 3,8 por cento no contrato de minério de ferro mais negociado na bolsa de Dalian e de ganho de 3,17 por cento nos preços spot do minério de ferro.

-CSN, USIMINAS e GERDAU subiram, respectivamente 9,9, 10,6 e 9,2 por cento, refletindo o a notícia de que as siderúrgicas preparam novo reajuste de preços de aço plano para maio, segundo a entidade que representa os comercializadores, Inda.

-PETROBRAS ganhou 4,1 por cento nos papéis preferenciais, em linha com a alta do petróleo. Além disso, a ação segue refletindo o cenário político. Investidores e analistas disseram à Reuters que a estatal poderá ser uma das maiores beneficiárias de uma eventual aprovação pelo Congresso Nacional do eventual impeachment da presidente Dilma. Temer é considerado mais acessível à indústria em seus pedidos de alterações de regras do setor.

-A exportadora e fabricante de aeronaves EMBRAER teve a maior baixa do Ibovespa, de 2,78 por cento, diante da desvalorização do dólar ante o real.

-GAFISA, fora do Ibovespa, caiu 0,74 por cento, após divulgar dados de vendas no primeiro trimestre. O segmento econômico amenizou o forte recuo das vendas dos empreendimentos para a média e alta rendas. "Apesar dos dados fortes em 2015, os dados operacionais do primeiro trimestre começam a mostrar enfraquecimento, com queda nas vendas contratadas e queda na velocidade de vendas", disse a Guide Investimentos.

(Edição Alberto Alerigi Jr. e Aluísio Alves)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos