Exército do Irã nega envolvimento direto na Síria e fala em "voluntários"

DUBAI (Reuters) - O líder do Exército do Irã disse nesta quarta-feira que a força que a corporação mobilizou na Síria na primeira operação do tipo no exterior desde a revolução de 1979 foi composta de voluntários que trabalharam sob supervisão da Guarda Revolucionária, e que o Exército regular não se envolveu diretamente.

A República Islâmica anunciou neste mês que enviou comandos da Brigada 65 do Exército à Síria como conselheiros, insinuando que está usando seu Exército regular, assim como forças da Guarda Revolucionária, uma tropa de elite, para ajudar as forças do presidente sírio, Bashar al-Assad, na guerra civil do país.

O Irã é o principal aliado regional de Assad e tem fornecido apoio militar e econômico para seu confronto com grupos rebeldes e militantes do Estado Islâmico.

"Alguns voluntários foram enviados à Síria, sob a supervisão da organização relacionada, e entre eles pode haver algumas das forças da Brigada 65", teria afirmado o chefe das Forças Armadas, Ataollah Salehi, segundo a agência de notícias Tasnim.

"O Exército não tem responsabilidade no aconselhamento militar dado à Síria", acrescentou Salehi.

No dia 11 de abril, pouco depois do anúncio da mobilização da Brigada 65, a Tasnim relatou que quatro combatentes iranianos foram mortos em solo sírio.

(Por Bozorgmehr Sharafedin)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos