Equatorianos na zona do terremoto disputam comida, água

Por Ana Isabel Martinez e Julia Symmes Cobb

SAN JACINTO/COJIMIES, Equador (Reuters) - Sobreviventes de um terremoto que matou 570 pessoas e destruiu a costa do Equador no último sábado pediam comida, água e medicamentos nesta quinta-feira conforme a ajuda não chegava a partes remotas da zona de desastre.

O governo socialista do presidente Rafael Correa, enfrentando uma tarefa gigante de reconstrução em um momento de receitas do petróleo muito reduzidos nas nações da Opep, disse que não havia falta de suprimentos, apenas a problemas com a distribuição que devem ser rapidamente resolvidos.

"Nós estamos tentando sobreviver. Nós precisamos de comida", disse Galo Garcia, um advogado de 65 anos de idade, enquanto esperava na fila para a água de um caminhão na vila costeira de San Jacinto. "Não há nada nas lojas. Estamos comendo os vegetais que crescem."

Uma multidão nas proximidades gritava: "Queremos comida."

O governo enviou rapidamente suprimentos para as principais cidades e construiu abrigos para mais de 25 mil pessoas em estádios de futebol e aeroportos, mas a destruição de estradas tem impedido a operação.

Nas ruas perto a Pedernales, uma das cidades mais atingidas, as crianças das áreas rurais levavam cartazes pedindo comida. Muitas pessoas deixaram aldeias para procurar ajuda, e aqueles que ficaram para trás sentiram o aperto.

"Todos nós aqui temos sido marginalizados. Os outros estão recebendo as coisas, mas nós não", disse Darwin Gachila, 33, enquanto embalava sua filha bebê, acompanhado por sua esposa e duas outras crianças na pequena aldeia de Cojimies.

Um funcionário do governo em um ponto de armazenamento de alimentos fora da cidade de Pedernales pediu a um requerente, Jose Gregorio Basulor, 55, para manter a calma. "Eu posso ser paciente, mas não as crianças!" ele gritou de volta. "Eles estão chorando."

O ministro do Interior, José Serrano, falando de um comboio de ajuda nas proximidades, salientou que o governo estava se concentrando na distribuição de casa em casa para garantir que ninguém seja esquecido.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos