Ex-chanceler do México é escolhida como nova chefe de agência da ONU para o clima

OSLO (Reuters) - A ex-ministra mexicana das Relações Exteriores Patricia Espinosa foi escolhida como a nova chefe da agência da Organização das Nações Unidas (ONU) para o clima e terá a missão de ajudar a implantar o Acordo de Paris, que buscará levar a economia mundial a romper com os combustíveis fósseis, anunciaram autoridades nesta terça-feira.

Christiana Figueres, costarriquenha que em julho deixa o cargo que ocupou durante seis anos à frente do Secretariado de Mudança Climática da ONU, escreveu no Twitter que o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, indicou Patricia como sua sucessora.

Sediado na cidade alemã de Bonn, o secretariado afirmou que a indicação precisa ser aprovada por um escritório de 11 membros da ONU que representam grupos de governos de todo o mundo e que atualmente é encabeçado pela ministra francesa do Meio Ambiente, Ségolène Royal.

O escritório não tem histórico de contrariar indicações do secretário-geral, dizem diplomatas, embora algumas pessoas tivessem a expectativa de que a função seria delegada a alguém de fora da América Latina, uma vez que Christiana também é da região

Patricia Espinosa, que tem 57 anos e que trabalha como embaixadora mexicana na Alemanha, foi muito elogiada quando presidiu as negociações climáticas anuais da ONU em Cancún, no México, em 2010, quando ainda era chanceler do México.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos