Obama diz que relações raciais nos EUA melhoraram mas há muito a ser feito

WASHINGTON (Reuters) - O presidente norte-americano, Barack Obama, disse em um discurso de formatura neste sábado que as relações raciais nos Estados Unidos melhoraram nas últimas três décadas, mas acrescentou que ainda são necessários avanços significativos. 

“Eu lhes digo isso não para levá-los à complacência, mas para estimulá-los a agir, porque ainda há muito trabalho a ser feito”, disse Obama a cerca de 2.300 graduandos da Universidade Howard, em Washington, reconhecendo que racismo e desigualdade ainda persistem. “Não podemos ser sonâmbulos na vida.”

Os Estados Unidos têm enfrentado uma série de controvérsias raciais nos últimos anos, incluindo a morte, em 2014, de um jovem negro desarmado por um policial em Ferguson, Missouri, em um episódio que chegou a desencadear protestos por vezes violentos. 

Os Estados Unidos têm uma desigualdade racial em oportunidades econômicas, disse Obama, observando que a taxa geral de desemprego nos EUA é de cerca de 5 por cento, mas está próxima de 9 por cento para os negros.

Obama, filho de mãe branca e pai africano, disse aos graduandos para se orgulharem de sua identidade racial. 

“Sejam confiantes em sua cor”, disse Obama, acrescentando que “não há um jeito de ser negro… não há limites nem testes para autenticidade.”

(Por David Shepardson)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos