Menor emissão de prêmios pesa sobre lucro da BB Seguridade no 1º tri

SÃO PAULO (Reuters) - A queda na emissão de prêmios em importantes áreas de negócios e a alta no pagamento de indenizações a segurados pesaram sobre a BB Seguridade, cujo lucro do primeiro trimestre ficou praticamente estável na comparação com um ano antes.

A BB Seguridade anunciou nesta segunda-feira que teve lucro líquido de 958 milhões de reais no período, alta de 0,9 por cento ante mesma etapa de 2015. A variação ficou bem abaixo do crescimento previsto pela companhia para o acumulado deste ano, de 8 a 12 por cento.

Na base sequencial, o lucro teve queda de 5,5 por cento.

Segundo a BB Seguridade, o resultado foi afetado também pelo pagamento de alíquotas maiores de PIS/Pasep e Cofins sobre receitas financeiras e da Contribuição Social sobre o lucro líquido (CSLL).

Esses efeitos foram parcialmente compensados por um aumento de 33,1 milhões de reais do resultado financeiro combinado.

Ainda assim, a rentabilidade ajustada sobre o patrimônio líquido teve queda de 5 pontos percentuais sobre um ano antes, para 49,9 por cento.

Índice combinado, que mede quanto dos prêmios ganhos são gastos com despesas operacionais e pagamento de indenizações a segurados, piorou, passando de 69,7 para 73,1 por cento.

Segundo a companhia, contribuiu para a piora do índice o aumento da sinistralidade, concentrada no segmento de prestamista em razão da contabilização de avisos que não haviam sido processados em decorrência de inconsistências cadastrais.

De acordo com o diretor financeiro e de Relações com Investidores da BB Seguridade, Werner Suffert, consideradas bases mais equivalentes de alíquotas de tributação nos próximos trimestres, a tendência é que o lucro da companhia convirja para números mais próximos da faixa estimada para o ano.

"Na média, nossos resultados financeiros podem ser até melhores do que em 2015 por causa da Selic média maior", disse Suffert à Reuters. "Além disso, esperamos reduzir os níveis de sinistros".

O volume de prêmios emitidos no segmento Vida, Habitacional e Rural teve queda de 2,9 por cento sobre um ano antes e de 28,6 por cento na base sequencial, para 1,5 bilhão de reais. Com isso, o lucro da área caiu 3,3 por cento na base anual.

Já no segmento Patrimônio e automóvel, a queda no lucro foi ainda mais acentuada, de 48,9 por cento. Embora o volume de prêmios tenha tido expansão de 2,5 por cento, maiores valores pagos em indenizações deterioraram fortemente a rentabilidade.

Em previdência, o lucro cresceu 1,36 por cento ano a ano, para 223 milhões de reais. Em capitalização, a arrecadação caiu 21 por cento contra um ano antes e 43,8 por cento na base sequencial, para 1,04 bilhão. Ainda assim, o lucro do setor ano a ano avançou 28,6 por cento, a 135 milhões de reais, devido a ganhos maiores com juros.

Por fim, o lucro com corretagem somou 370,5 milhões de reais, alta de 4,6 por cento sobre um ano antes, resultado também favorecido por maiores ganhos financeiros.

(Por Aluísio Alves)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos