Egito abre passagem de Gaza por 48 horas após interdição de 85 dias

Por Nidal al-Mughrabi

GAZA (Reuters) - O Egito abriu sua fronteira com Gaza pela primeira vez em três meses nesta quarta-feira, dando aos palestinos dois dias de alívio de uma interdição resultante do atrito entre o Cairo e os governantes islâmicos do enclave.

O fechamento de Rafah e a destruição de túneis usados para contrabando através da divisa levados a cabo pelo Egito, assim como as restrições mais severas impostas por Israel ao longo de sua própria fronteira com Gaza, aprofundaram a penúria econômica de muitos dos 1,9 milhão de palestinos que vivem no território.

O governo egípcio, comandado por um militar, vem mantendo sua divisa com a Faixa de Gaza fechada a maior parte do tempo desde que o ex-presidente Mohamed Mursi, da hoje ilegal Irmandade Muçulmana, foi deposto há três anos.

Autoridades egípcias veem o Hamas, que governa Gaza, como uma ameaça, acusando o grupo de apoiar uma insurgência islâmica na península do Sinai que faz fronteira com o território palestino. O Hamas nega a acusação.

Cerca de 30 mil moradores de Gaza estão em uma lista de espera para cruzar a divisa em Rafah. Só alguns poucos milhares, como doentes, estudantes e portadores de vistos de residência de outros países, devem conseguir fazer a travessia na quarta e na quinta-feira antes que ela volte a ser fechada.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos