Colômbia irá investigar guerrilha do ELN por quase 16 mil crimes de guerra

BOGOTÁ (Reuters) - A Procuradoria-Geral da Colômbia está investigando cinco líderes de alto escalão do Exército de Libertação Nacional (ELN) por quase 16 mil crimes de guerra e contra a humanidade, informou a instância na quarta-feira.

As acusações surgem em meio a uma escalada nas tensões entre o ELN e o governo. Em março os dois lados anunciaram que iriam dar início a conversas de paz formais para encerrar os mais de 50 anos de guerra, mas os sequestros e ataques à infraestrutura petrolífera levados a cabo pelos rebeldes continuaram e têm detido o andamento do processo.

O principal líder do ELN, Nicolás Rodríguez Bautista, mais conhecido pelo pseudônimo Gabino, e quatro outros dirigentes destacados são o foco do inquérito, afirmou a Procuradoria-Geral em comunicado.

Os 15.896 crimes do caso incluem assassinatos – entre eles os de um senador e um bispo – sequestros, recrutamentos forçados, deslocamentos, bombardeios e violência baseada em gênero.

"Estamos investigando a origem, evolução, expansão, políticas e estratégias do ELN, suas estruturas e os principais responsáveis por crimes de guerra e contra a humanidade cometidos durante o conflito", detalhou o procurador-geral, Jorge Fernando Perdomo.

        

(Por Julia Symmes Cobb e Luis Jaime Acosta)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos