Boko Haram pode estar enviando combatentes para Estado Islâmico na Líbia, dizem EUA

Por Ulf Laessing

ABUJA (Reuters) - Há sinais de que os extremistas do Boko Haram, da Nigéria, estão enviando combatentes para se juntar ao Estado Islâmico na Líbia e da existência de uma cooperação crescente entre os dois grupos, disse nesta sexta-feira uma importante autoridade norte-americana.

A Nigéria pediu aos Estados Unidos a venda de aviões para lutar contra o Boko Haram, grupo responsável por uma insurgência de sete anos no norte do país e que no passado prometeu lealdade ao Estado Islâmico, que é ativo na Síria, Iraque e Líbia.

Pouco se sabe a respeito da extensão da cooperação entre os grupos islâmicos radicais. Contudo, governos ocidentais se preocupam que a cada vez maior presença do Estado Islâmico no norte da África e os laços com o Boko Haram possam ser o anúncio de um avanço para o sul, à vasta e pouco vigiada região do Sahel, e da criação de uma plataforma para ataques mais amplos.

Antony Blinken, vice-secretário de Estado norte-americano, afirmou existirem “relatos” de que os combatentes do Boko Haram estavam indo para a Líbia, onde o Estado Islâmico estabeleceu uma grande presença, se aproveitando do caos na segurança do país.

"Temos visto que a capacidade do Boko Haram de se comunicar tem se tornado mais efetiva. Eles parecem ter se beneficiado da ajuda do Daesh”, afirmou ele, usando um termo depreciativo para o Estado Islâmico. Também existiam relatos a respeito de ajuda material e logística.

"Então, esses são todos elementos que sugerem que há mais contatos e mais cooperação, e isso é de novo algo que estamos olhando com muito cuidado porque nós queremos cortar”, disse Blinken à imprensa na Nigéria.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos