Sindicato de metalúrgicos rejeita oferta da CSN em negociação salarial

SÃO PAULO (Reuters) - Representantes sindicais da usina siderúrgica da CSN em Volta Redonda (RJ) rejeitaram esta quinta-feira termos para acordo coletivo deste ano, que inclui reajuste salarial zero e corte em benefícios.

Os trabalhadores cobram um mínimo de reposição da inflação medida pelo INPC (9,83 por cento) mais aumento real que não foi definido. A data-base da categoria é em 1o de maio.

Segundo o Sindicato dos Metalúrgicos do Sul Fluminense, a direção da entidade se retirou da mesa de negociação após a apresentação da proposta da CSN, que foi feita após acidente mais cedo neste ano que culminou com a morte de três trabalhadores da usina. O sindicato não descarta uma eventual convocação de greve na unidade.

"Não vamos aceitar de maneira alguma (...) Esperamos a retirada da contraproposta da empresa e que ela volte a negociar", disse o presidente do sindicato, Silvio Campos, em comunicado à imprensa. Procurada, a CSN não comentou o assunto.

A reunião desta quinta-feira foi a primeira no processo de negociação deste ano. Em 2015, um acordo só foi alcançado em setembro, com reajuste de 6 por cento.

(Por Alberto Alerigi Jr.)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos