Soldado dos EUA tenta reverter condenação de corte marcial por vazamento ao WikiLeaks

WASHINGTON (Reuters) - Chelsea Manning, soldado norte-americana presa por entregar documentos sigilosos ao site pró-transparência WikiLeaks apelou a um tribunal do Exército dos EUA para revogar sua condenação em corte marcial, mostrou um documento judicial nesta quinta-feira.

Os advogados de Manning, 28 anos, apresentaram a moção ao Tribunal Militar de Apelações Criminais dos EUA, argumentando que a condenação em 2013 foi inconstitucional e, se não for revogada, a sentença de 35 anos deve ser reduzida a 10 anos.

"Para o que Manning fez, a pena é grosseiramente injusta e sem precedentes. Nenhum delator na história norte-americana foi sentenciado de maneira tão dura", disseram os advogados no documento de 209 páginas.

Um tribunal militar condenou Manning, ex-analista de inteligência no Iraque, por fornecer mais de 700 mil documentos, vídeos, telegramas e contas de campo de batalha para o WikiLeaks. Foi o maior vazamento de material sigiloso da história dos Estados Unidos.

(Por Ian Simpson)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos