Extrema-direita perde eleição presidencial na Áustria por pequena margem

VIENA (Reuters) - A Áustria escapou por pouco de se tornar o primeiro país da União Europeia a eleger um candidato de extrema-direita como chefe de Estado, já que votos enviados pelo correio decidiram um segundo turno presidencial apertado a favor de seu adversário ambientalista.

Após uma eleição que estava disputada demais para que se pudesse anunciar o vencedor no domingo, a contagem de votos de eleitores fora do domicílio eleitoral feita nesta segunda-feira colocou Alexander van der Bellen, de 72 anos, adiante de seu rival Norbert Hofer, do anti-imigração Partido da Liberdade (FPO), e no cargo eminentemente cerimonial de presidente.

O Partido da Liberdade e seus aliados europeus ressurgentes expressaram decepção com a derrota, mas comemoraram o aumento do apoio à legenda entre os eleitores austríacos, enquanto partidos tradicionais do governo respiraram aliviados.

"Cinquenta por cento de confiança em Norbert Hofer é um resultado gigantesco", disse seu gerente de campanha, Herbert Kickl, à rede de televisão pública ORF, amenizando comentários feitos antes da votação que deram a entender que o FPO poderia questionar a contagem.

Um fator por trás do forte apoio ao FPO foi o descontentamento com o racha na coalizão governista, formada por dois partidos centristas.

(Por Francois Murphy)

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos