Jucá nega ação para deter Lava Jato e diz que permanece no cargo enquanto Temer quiser

Por Marcela Ayres

BRASÍLIA (Reuters) - O ministro do Planejamento, Romero Jucá, negou nesta segunda-feira que tenha sugerido um pacto para deter o avanço da operação Lava Jato em conversa com o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e disse que vai continuar no cargo, enquanto tiver a confiança do presidente interino Michel Temer.

"O que tenho dito é que é muito importante estancar a paralisia do Brasil, estancar a sangria da economia e do desemprego e também delimitar quem tem culpa e quem não tem culpa", disse Jucá, em referência ao conteúdo da conversa que teve com Machado, revelada nesta segunda-feira pelo jornal Folha de S.Paulo.

"Não tenho nada a temer, não devo nada a ninguém", acrescentou o ministro durante entrevista a jornalistas, convocada para dar explicações sobre o caso.

Reportagem da Folha de S.Paulo desta segunda-feira revelou trechos de conversa gravada e vazada entre Jucá e Machado, ambos investigados pela Lava Jato, e aponta que o atual ministro sugeriu que uma troca no governo federal resultaria em pacto para frear os avanços da Lava Jato.

Jucá repeliu o teor da reportagem e disse que as frases da conversa foram "pinçadas e colocadas fora do contexto".

Em um dos trechos da conversa, Jucá diz ao interlocutor: "Tem que mudar o governo para estancar essa sangria", em resposta à preocupação expressada por Machado de que sua investigação na Lava Jato saísse do Supremo Tribunal Federal (STF) e fosse parar nas mãos do juiz federal do Paraná Sérgio Moro, segundo o jornal.

Jucá, um dos nomes mais próximos a Temer e presidente em exercício do PMDB, afirmou que a interpretação da conversa dada pelo jornal foi equivocada, e defendeu que haja uma aceleração da investigação da Lava Jato.

"Sempre falei que temos que estancar a sangria da economia e do desemprego", disse. "Ninguém em sã consciência pode achar que pode haver tentativa de barrar a Lava Jato", disse.

Segundo o ministro, a conversa com Machado, que é ligado ao PMDB, aconteceu pessoalmente e só os dois estavam presentes no momento. Machado, ex-senador pelo PSDB, presidiu a Transpetro de 2003 a 2015 e deixou o cargo após denúncias de suposto envolvimento em esquema de corrupção relacionado à Petrobras.

Jucá, que também é senador licenciado, afirmou ainda que se sente totalmente em condições de permanecer no governo, lembrando que vai seguir trabalhando junto ao Congresso Nacional para a aprovação da nova meta de déficit fiscal.

O ministro avaliou que a revelação do áudio não deve atrapalhar a votação da nova meta fiscal proposta para este ano, que prevê um rombo histórico de 170,5 bilhões de reais para o resultado primário do governo central, formado por governo federal, Previdência e Banco Central.

"Essa divulgação da conversa por não ter nenhum fundo de realidade, é claro, faz uma onda, (mas) não tem consequência prática nenhuma na votação", disse. O ministro afirmou que a proposta de alteração do objetivo fiscal será apresentada ao presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), ainda nesta segunda, por ele e por Temer.

"Há previsão de se votar amanhã. É prioridade do Brasil", disse.

Durante a coletiva, o ministro defendeu o governo de pouco mais de uma semana de Temer, apontando não haver "nenhum indicador de corrupção". Em contrapartida, fez críticas à presidente afastada Dilma Rousseff e apontou sua contribuição ativa para a crise.

"Eu entendo que a presidente cometeu crime fiscal, cometeu crime financeiro, cometeu crime de responsabilidade, dilapidou a economia do país. Essa sangria é resultado do governo dela."

Questionado sobre indicação feita a Machado, de acordo com a conversa revelada pela Folha, de que o governo Temer deveria construir um pacto "com o Supremo, com tudo", Jucá afirmou que fazia referência à participação do Supremo Tribunal Federal na definição de um arcabouço legal que amparasse investimentos, passando pela definição de marcos regulatórios em concessões, parcerias público privadas e acordos de leniência.

O ministro defendeu ainda que os três Poderes são fundamentais para a recuperação do país.

"Tem que trabalhar harmonicamente com o objetivo de solidificar as expectativas, a segurança jurídica, a credibilidade das instituições", afirmou.

"É preciso haver uma concertação nacional dos três Poderes para poder efetivamente reconstruir o Brasil e fazer essa salvação nacional."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos