Samarco vai adotar plano de demissão voluntária para desligar 40% de seus funcionários

Marta Nogueira, do Rio de Janeiro

  • Antonio Cruz/Agência Brasil

    Carro levado pela lama da barragem de Fundão, em Mariana, que foi rompida em novembro de 2015

    Carro levado pela lama da barragem de Fundão, em Mariana, que foi rompida em novembro de 2015

A mineradora Samarco aceitou proposta de sindicatos de trabalhadores para a adoção de um Programa de Demissão Voluntária (PDV) para o desligamento de 40 por cento dos cerca de 3 mil funcionários, devido ao rompimento de uma barragem da empresa no ano passado, disse a mineradora nesta sexta-feira.

Joint venture da mineradoras Vale e BHP Billiton, a Samarco paralisou suas operações desde o colapso da sua estrutura em Mariana (MG), que deixou 19 mortos, centenas de desabrigados e poluiu o rio Doce.

Em uma nota, a companhia frisou que desde o desastre, em 5 de novembro, tem feito o possível para preservar empregos, já tendo adotado férias coletivas, licença remunerada e dois períodos de suspensão temporária do contrato de trabalho.

A Samarco, entretanto, considera que chegou a um ponto em que são necessários ajustes na força de trabalho. "A empresa entende que a proposta dos sindicatos representa uma alternativa respeitosa, diante das circunstâncias atuais", explicou.

A Samarco reafirmou seu objetivo de retomar a operação ainda neste ano, com 60 por cento de sua capacidade, mas ponderou sua incerteza sobre a obtenção de licenças.

"Não sabemos quando serão concedidas as licenças para a volta da operação. Na melhor das hipóteses, isso pode acontecer no fim deste ano", disse a Samarco em comunicado.

Caso o PDV não cumpra a meta de demissão voluntária de 40 por cento dos funcionários, a empresa terá que demitir fora do programa, disse a assessoria de imprensa.

Atualmente, a empresa tem aproximadamente 1050 funcionários em regime de suspensão temporária do contrato de trabalho, dos cerca de 3 mil funcionários que atuam em Minas Gerais e Espírito Santo, onde esta a atividade de pelotização da companhia.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Newsletter UOL

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos